• CLAUDIONOR PEREIRA MACHADO

      Nome Parlamentar – Claudionor Machado
      Email: vereador.claudionor@cmlem.ba.gov.br
      Fone: (77) 9946-3346

Claudionor Pereira Machado é brasileiro, casado, advogado, residente em Luís Eduardo Magalhães há 16, onde atualmente está vereador. Filho de pais nordestino, Sr. Noé Pereira Machado (Gente Boa) e Dona Rosenilda Lourenço Ancelmo (Rosa Costureira), oriundos, respectivamente de Lagoa do Ouro/PE e União dos Palmares/AL, Claudionor nasceu na cidade alagoana de Delmiro Golveia.

É o mais velho de três filhos, nascido em 01 de junho de 1976. Sua história inicia com esforço, pois já em seu nascimento teve que encarar a dureza da vida, não sendo possível auxílio de parteira, sua mãe o teve só.

Deu seus primeiros passos para a escola aos quatro anos de idade, todavia, a falta de condição da família, o obrigou a deixar o aprendizado infantil por várias vezes, pois tivera que acompanhar seus pais ao labor rural. Da roça aprendeu quase tudo, que sabe fazer um agricultor, desde a arrancar tocos, cortar de machado, a bater milho/feijão no porrete.

Com doze anos, seus pais procurando melhoria de condições migraram para a Bahia, fixando residências na cidade de Cristópolis, desde 16 de abril de 1989, neste Oeste Baiano, onde continuou o curso da 4ª série. Uma frase o marcou no primeiro dia de aula, quando seu pai ao levar a escola, ia saindo, e disse pela janela: “Claudionor, boa sorte!”. Local de onde preservaria grande parte de suas experiências para a vida.

Quando ainda em Alagoas, aprendeu com seu pai a cuidar de gado, de ovelhas, vendeu picolé, teve rápida experiência no comércio, sobre tudo, aprendeu com o pai, em tenra idade, o que seja honestidade, da qual o genitor era modelo.

Como morador cristopolense, percebendo a falta de condições da família, com dois irmãos muito pequenos, uniu as mãos aos pais no sustento da família.

Naquele município, com amplo testemunho de seus mais antigos moradores, trabalhou: batendo tijolos, preparando roça desde a mata bruta, plantando, cultivando, colhendo, arando terra, arrancando tocos, frentista, capinando calçamento, abrindo fossas, ajudante de pedreiro ajudante de carpinteiro, fez blocos em cerâmica, foi chapa, ajudante de vaqueiro, foi gari, foi borracheiro, carregador e empilhador de madeiras em caminhão para queimar em caldeiras, vendeu picolé, trabalhou em bar, trabalhou em restaurante, trabalhou em feira livre. Entre os anos de 1989 a 1995.

Sobre tudo, continuou estudando, mesmo diante de tantas dificuldades.

Seus pais dispensam comentários, pois deram suas vidas para promover aos filhos o seu melhor. Determinado dia, sua mãe lhe deu um presente de aniversário com o intuito de promover-lhe maior comodidade, uma marmita térmica, dizendo: “Meu filho, agora você vai comer comida quentinha…”.

Quantas vezes, na hora da refeição, sua marmita estava cheia de terra!! Alguns companheiros de serviço, com o intuito de ver o “irmão brigar”, derramavam sua comida e punham terra no lugar. Mas ficava com fome, porém não trocava a razão por coisas banais.

Aos 16 anos, em 28 de junho de 1992, convencido pelo Espírito Santo, reconheceu a Jesus Cristo como seu senhor e salvador, tornando-se evangélico, na Igreja Evangélica Assembleia de Deus, presidida pelo amado Pastor Antônio Raimundo Batista. Poucos meses passados, mesmo ainda novo convertido, já atuava como obreiro, tendo a confiança da igreja. Passou então, a somar ao labor diário, e aos estudos, os serviços da igreja, que sempre fez com muita dedicação, amor, carinho, afinco, em todas as congregações da igreja. Fosse de carro, fosse de bicicleta, fosse a pé, sempre apostos.

Em 1994 começou a cursar Magistério, destacado entre os colegas, com convite para lecionar matérias, mesmo em início do curso. Em 1995, observando que em Cristópolis seu limite de estudos estava chegando ao fim, já tendo experimentado todos os tipos de trabalho que oferecia, restava-lhe acompanhar seu pai na Reforma Agrária de Angical. Percebeu que seus sonhos estavam prestes a não se realizar, pois desde criança sonhava em ser advogado, o que não conseguiria trabalhando na roça.

Logo, sem nenhuma estrutura ou auxilio financeiro, resolveu morar em Barreiras, para onde mudou no início do ano, ficando sem efeito o primeiro ano do magistério já cursado. Nesta mudança, necessário o destaque da amada professora HELIA MARIA GONÇALVES VIEIRA, que sempre o deu conselhos, e no momento dessa mudança, viabilizou a possibilidade de cursar Secretariado, no Colégio Marcos Freire, em Barreiras.

Em Barreiras, logo resolveu o problema da moradia, morou alguns meses na casa do seu tio no bairro Morada da Lua, depois alugou um quarto e foi morar sozinho, com mobílias mínimas. Chegou a carregar caçambas de pedra, porém logo foi vender PURIFICADOR DE ÁGUA, tendo oportunidade de andar por toda a cidade e região, passando a conhecer o Mimoso do Oeste.

No dia 02 de abril de 1997 casou com Nara Cristina Apolinário Machado, tendo um filho, João Pedro Apolinário Machado. Estes conhecem bem a história.

Em abril de 1995, foi contratado pela Casa Centro Materiais de Construção, onde trabalhou um ano e meio, donde pediu demissão e, em 1996, foi trabalhar na empresa Agrolar Campo e Cidade, permanecendo até o dia 02 de março de 1998. Desta fez seu pedido de demissão para trabalhar na empresa SAMOM Materiais de Construção, no então Mimoso do Oeste, iniciado em 03 de março de 1998, tornando-se também morador do distrito. Nestas, sempre progrediu de função, iniciando como repositor de materiais, passando por chefe de almoxarifado, experimentando ser caixa, foi cobrador, gerente e vendedor, função da qual tornou-se notório.

Permaneceu na SAMOM até abril de 2004, quando também se demitiu para compor o quadro funcional da BUNGE Alimentos, como comprador de suprimentos. Nesta, trabalhou até dezembro de 2008, quando convidado para gerenciar uma das unidades da Multinacional, não aceitou, pelas condições, resultando em sua demissão.

Merece destaque na Assembleia de Deus em Luís Eduardo Magalhães (AD-LEM), trabalhou em várias funções e cargos, sendo atualmente auxiliar de congregação, Diácono do Campo e Professor de Escola Bíblica Dominical. É professor de Teologia desta e de outras denominações. Dá estudos Bíblicos e prega o amor e graça de Deus.

O período da BUNGE corresponde ao período que cursou faculdade de direito em Barreiras. Salienta-se que pela falta de condições, ficou sem estudar por aproximadamente sete anos.

De 2004 há 2008 foi período de clausura… Trabalho e estudos. Longas jornadas diárias para estudar há 100 km de distancia, percorrendo cerca de 200 km/dia. Não perdia aulas, não tinha condição de comprar livros, nunca repetiu matérias, se não fosse a ajuda de amigos e a compreensão da família não teria concluído o curso. Prestou a prova da OAB e foi aprovado em 2009, começando a advogar em 2010, na sala de seu domicílio. Logo montou escritório próprio.

Participou de todos os processos eletivos da cidade, desde sua emancipação, todavia como coadjuvante. Porém, em 2008, deu as mãos ao candidato apresentado por sua igreja, que foi eleito, tendo oportunidade de, na pratica, saber como funciona o processo eletivo.Com a saída da BUNGE, trabalhou na Câmara Municipal, na função de Assessor Jurídico, oportunizando conhecer o funcionamento administrativo da Casa. Período que durou somente um ano, 2009.

Em 2011, após análise da linha partidária, resolveu por filiar-se ao PDT, passando a concorrer à eleição proporcional municipal, no ano seguinte, 2012, sendo eleito com a maior votação da coligação.

Assumida a cadeira em 2013, tem flamulado à bandeira da indicação de obras ao executivo, da apresentação de projetos com efeitos sociais e, principalmente, da fiscalização, com a qual tem surtido vários resultados e gerado o reconhecimento público de vereador destaque e mais atuante.

Claudionor Machado é pessoa simples, honesta, trabalhadora, responsável, pai de família, firme nos posicionamentos, exemplo para muitos, ético, submisso, de muitos amigos, um líder.

Publicações relacionadas:

Filtrar por:

Página 1 de 212
Facebook